Artsy Hotels for GQ Brazil | November 2017

GQ artsy hotels

Architectural Record | April 2011

In April 2011, Thomas Piper and I wrote about Brazilian architect Marcio Kogan, of Studio MK27, for Architectural Record. The article was on his Bahia House. Click here to read the full article. 

___

Many architects claim they build with light, as if they possess an alchemical ability to make the ethereal material. With his Bahia House, the S'o Paulo'based architect Marcio Kogan, of Studio MK27, does them one better: He builds with breeze. Combining the principles of contemporary design, traditional Bahian siting, and vernacular materials, Kogan produced a fantastically efficient house that seems to breathe with its environment. (continued)


Interview with François Nars for Vogue Brasil | October 2017

 

Nars_Vogue

Fashion designers and their art collections for GQ Brazil | May 2017

GQ artsy collections

Frieze Art Fair for Casa Vogue Brazil | May 2017

Frieze

Em sua sexta edição nova iorquina, a feira de arte Frieze acontece entre os dias 5 e 7 de maio em Randall’s Island – ilha que fica entre Manhattan, Bronx e Queens. A estrutura que hospeda o evento forma uma tenda gigante e conta com luz natural, dando clima especial ao evento. Nesta quinta-feira, dia 4, a feira abre apenas para convidados.

E MAIS: Saiba tudo sobre a Japan House, que abre sábado em São Paulo

Segundo a diretora Victoria Siddall, “a Frieze New York continua a evoluir e neste ano as galerias oferecem apresentações aprofundadas e de alta qualidade, refletindo o interesse cultural diversificado do nosso público”. No total, são mais de 200 galerias de 30 países. A Casa Vogue deu um giro antes da abertura oficial da feira para registrar os destaques apresentados pelas galerias brasileiras. Fique de olho!
 

A Gentil Carioca - booth D3

Obras de Vivian Caccuri e OPAVIVARÁ, na A Gentil Carioca (Foto: Gisela Gueiros)

Vivian Caccuri, o coletivo OPAVIVARÁ!, Renata Lucas e João Modé serão apresentados pela A Gentil Carioca nesta Frieze. Um dos trabalhos que chama a atenção no booth da galeria faz parte da série de trabalhos bidimensionais “Seaweed”, de Caccuri, remete às ondas do mar que são de repente interrompidas por linhas verticais. Inspirado pela antropofagia cultura de Oswald de Andrade, OPAVIVARÁ! criou uma instalação que funciona como loja de sorvetes onde é vendido o “Tupycolé”, um picolé em forma de partes do corpo – pé mão, peito, rosto e pênis. Os sabores tropicais sortidos têm os tons da pele humana.

Silvia Cintra - booth B50

Amilcar de Castro na Silvia Cintra + Box 4 (Foto: Gisela Gueiros)

Amilcar de Castro (1920-2002), um dos maiores artistas brasileiros ao lado de Lygia Clark e Helio Oiticica, fará parte da seção Spotlight. A galeria Silvia Cintra apresenta esculturas e pinturas históricas dos anos 70, além de desenhos – que são estudos para as peças tridimensionais. O destaque é o grupo de 140 escultras. Segundo a galerista, “esta obra permite que as pessoas vejam todas as esculturas que o Amilcar produziu em vida. Ele gostou muito de realizar este projeto porque conseguiu que todas as peças tivessem 23 cm em algum momento, fosse na altura, na profundidade ou na largura”.

Casa Triângulo - booth D8

Assume Vivid Astro Focus na Casa Triângulo (Foto: Gisela Gueiros)

Além de esculturas de gesso de Juliana Cerqueira Leite, e trabalhos em madeira de Dario Escobar, a galeria apresenta belíssimas aquarelas de Stephen Dean e destaca as pinturas multicoloridas sobre neoprene de Assume Vivid Astro Focus.

Raquel Arnaud - booth C50

Waltercio Caldas na Raquel Arnaud Frieze (Foto: Gisela Gueiros)

Nesta edição, a galeria Raquel Arnaud apresenta Waltercio Caldas – um dos artistas brasileiros com trajetória internacional das mais consagradas, com participação na Bienal de Veneza e na Documenta de Kassel. Segundo o curador da próxima Bienal de São Paulo, Gabriel Perez-Barreiro, "uma das expressões favoritas de Waltercio é que ele não cria objetos, mas sim os espaços entre eles, e isso é verdade”.

Fortes D’Aloia & Gabriel - booth C18

Jac Leirner na Fortes D'Aloia & Gabriel (Foto: Gisela Gueiros)

A Fortes D’Aloia & Gabriel traz um time grande de artistas que inclui Leda Catunda, Iran do Espírito Santo, Jac Leirner, Nuno Ramos, Marina Rheingantz e Luiz Zerbini. Uma das obras, “Spine” (2014) de Jac Leirner, chama a atenção exatamente por fazer referência à montagens de exposições, onde níveis de precisão formam uma escultura. A prática de acumular objetos do dia-a-dia tem sido uma marca constante na carreira de Jac Leirner. "Esse trabalho da Jac Leirner foi mostrado em 2014 no Centro Atlántico de Arte Moderno CAAM, em Las Palmas de Gran Canaria. E como escreveu o crítico Lorenzo Mammì, é como se fosse Duchamp com Sol LeWitt e esses serialidades minimalistas virassem ready-mades", conta Matheus Chiaratti, vendas da galeria.

Jaqueline Martins - booth B21

Hudinilson Jr na Jaqueline Martins (Foto: Gisela Gueiros)

A galeria dedica seu espaço ao trabalho do artista Hudinilson Jr. (1957-2013) e apresenta obras nunca exibidas antes. “Os trabalhos que vamos mostrar durante a Frieze foram criados durante a ditadura no Brasil nos anos 70 e 80. Acreditamos que este é um momento oportuno para exibir este projeto tão transgressor”, conta a galerista. As fotos e xerox de partes do corpo, dos anos 80, se destacam.

Luisa Strina - booth C14

Federico Herrero na Luisa Strina (Foto: Gisela Gueiros)

No booth da Luisa Strina, vemos uma amostra de vários artistas da galeria como Marepe, Anna Maria Maiolino e Alexandre da Cunha. Fernanda Gomes aprece representada com uma escultura de madeira que fez parte da Bienal de São Paulo de 2012.

Vermelho - booth A10

Dora Longo Bahia na Vermelho (Foto: Gisela Gueiros)

A galeria vai exibir obras de vários artistas, entre eles Chiara Banfi e Odire Mlászho. O destaque fica por conta de duas novas pinturas de Dora Longo Bahia: “Rio Doce” e “Love Canal”. Nesta nova série, a artista trata de dois disastres sócio-ambientais – o primeiro, a invasão de lama tóxica no Rio Doce em Minas Gerias e, o segundo, se refere à história do bairro Love Canal, em Niagara Falls, NY, onde um aterro sofreu contaminação química forçando mais de 900 famílias a se realojarem nos anos 70. "Assim como no desatre do Love Canal, começam a descobrir agora conexões entre estes desastres naturais causados pelo homem e seus efeitos na saúde da população. Há uma conexão direta entre o desastre de Mariana e o surto de febre amarela, apesar de ninguém falar disso", comenta Akio Aoki - diretor da galeria Vermelho.

Mendes Wood DM - booth C4

Adriano Costa na Mendes Wood DM (Foto: Gisela Gueiros)

Além de um pout-pourri apresentando vários artistas da galeria, os destaques serão esculturas do artista Michael Dean, indicado ao Turner Prize. Adriano Costa chama a atenção dos visitantes com uma pintura de spray sobre couro que diz “My Boyfriend is Vegan”, de 2016.

Nara Roesler - booth A1

Paulo Bruscky na Nara Roesler (Foto: Gisela Gueiros)

O highlight do estande da Nara Roesler na feira é o artista Paulo Bruscky (1949), que também está com exposição em cartaz na galeria no Upper East Side e será um dos participantes da Bienal de Veneza deste ano, “Viva Arte Viva” – com curadoria de Christine Macel. A obra “LIVRO 1984” chama a atenção por levar em consideração tecnologias de controle, hoje tão temidas, e antecipadas por George Orwell em seu livro “1984”. “Durante o começo da administração de Donald Trump, “1984” se tornou o sext livro mais vendido da Amzaon”, cita o release da galeria.

Marilia Razuk - A23

Julio Plaza na Marilia Razuk (Foto: Gisela Gueiros)

A galeria Marilia Razuk está na seção de spotlights da feira, mostrando obras raras do espanhol Julio Plaza (1938-2003). O artista viveu no Brasil, onde se tornou uma figura importante, tendo dado aula tanto na USP quanto na FAAP. Entre os destaques está a obra “Ocidente”, uma placa de metal pintada com esmalte, feita na década de 70.

Link for the full article here.